ALCOOLISMO EM MULHERES


SAÚDE | DEPENDÊNCIA QUÍMIC
Leandro Waidemam

Foto: Milton Flávio

ALCOOLISMO EM MULHERES

Dr. Nasser Reda explica sobre os efeitos do álcool no organismo feminino e os impactos na saúde da mulher

SEM LEGENDA

Pesquisas recentes do Ministério da Saúde mostram que, em dez anos, o consumo abusivo de bebidas alcoólicas entre as mulheres passou de 10,6% para 13,3%, um aumento de 2,7 pontos percentuais. Os dados se referem ao período de 2010 a 2019, exclusivamente, no Brasil.
Embora o consumo de álcool possa ser prejudicial à saúde de qualquer pessoa, para as mulheres, os danos podem ser ainda maiores e surgirem mais cedo, como explica o especialista em dependência química e terapeuta comportamental, Dr. Nasser H. M. Reda. “Características biológicas fazem com que as mulheres sejam mais sensíveis aos efeitos do álcool. Em geral, pessoas do sexo feminino apresentam menos água no corpo do que homens de mesma altura e peso, o que faz com que alcancem maiores concentrações de álcool no sangue após beberem quantidades equivalentes. Assim, as consequências negativas do álcool tendem a surgir mais rápido e de forma mais acentuada”.
E segundo o médico, são várias as consequências, como a possibilidade de desenvolver cirrose e hepatite alcoólica, elas são mais suscetíveis a doenças cardíacas relacionadas ao álcool do que os homens e podem sofrer lapsos de memória e outros danos cerebrais. “Além disso, têm de 5 a 9% mais chances de desenvolver câncer de mama do que mulheres que não bebem”, afirma o médico.
Outro fator que o alcoolismo implica na saúde da mulher é em relação à fertilidade. Estudos indicam que quanto maior o consumo de álcool, menor a fecundidade em mulheres. O médico explica que a bebida pode afetar a concentração de hormônios endógenos, prejudicando a ovulação e a receptividade do endométrio, o que diminui as chances de fixação do embrião e, portanto, da gravidez. “Por isso, a recomendação é que, caso a mulher esteja tentando engravidar, os cuidados devem ser redobrados e o ideal é que o uso da bebida alcoólica seja interrompido completamente”, afirma Dr. Nasser.

Dr. Nasser H. M. Reda - CRM 62.859 | NIT 113.282.995.67
Especialista em Dependência Química e Terapia Comportamental (UNIFESP/EPM)